Resenha - A Terra Inteira e o Céu Infinito


A Terra Inteiro e o céu infinito
Autor: Ruth Ozeki
Editora: Casa Da Palavra
Gênero: Literatura Estrangeira / Ficção
Páginas: 416
Sinopse: Skoob

Classificação:



Olá, tudo bem com você?

 Comecei a ler esse ebook no mês passado e o começo da narrativa é  bem cansativo, mas como estou participando da maratona literária #SouDoidera resolvi terminar de ler esse livro no primeiro dia da maratona e me surpreendi com a leitura até o final.

No começo da narrativa conhecemos Naoko Yasutani uma garota de 16 anos que mora no Japão, e deseja que todos conheçam sua avó uma senhora monja que já tem cerca de 104 anos e ajudou muito Naoko a superar situações bem complicadas da vida.

Os primeiros capítulos são narrados em primeira pessoa pela Naoko e confesso que no começo ela fala com você como se fosse uma apresentação do livro sabe, demora um pouco para se dar conta que a história já começou, talvez por isso eu me senti um pouco perdida no começo.

Página 11
Suposições são um saco. São que nem expectativas. Suposições e expectativas matam qualquer relação, então você e eu não vamos entrar nessa, ok?


Depois de um tempo começa a se alternar as narrativas entre Naoko a menina que escreve seu diário e é narrado tudo em primeira pessoa e Ruth uma moça mais velha já casada que mora em uma ilha no Canadá narrado em terceira pessoa.

Ruth encontra esse diário na praia quando vai com o seu marido colher mariscos, e então percebemos que a narrativa do começo do livro é exatamente o diário de Naoko que Ruth está lendo.

Ruth lê em voz alta para que seu marido também saiba o que acontece com Naoko e depois que Naoko começa a revelar os fatos de sua vida, impossível não se sentir e se comover com sua história, ela sofre bullying na escola  da pior maneira possível, além de enfrentar isso na escola teve que lidar com aquela crise que afetou o Japão e acabou deixando seu pai desempregado, e homem sem trabalho no Japão não é nada, ele tenta o suicídio diversas vezes e Naoko sempre fica apreensiva com medo de um dia seu pai de fato conseguir se matar.

Naoko começa a cuidar de seu pai, apesar de não falarem muito ela sempre fica próxima dele e deseja que ele pare de pensar em se matar, pois a vida dela também é ruim mas nem por isso ela quer perder a vida.
Página 166
Da maneira como a sociedade funciona, os pais deviam ser os adultos a cuidar dos filhos, mas muitas vezes acontece o contrário.

A maior parte do livro é narrado nos capítulos de Naoko e isso é a melhor parte da história, depois vai alternando com o que Ruth também está achando da leitura do diário dela e ela começa a procurar algumas referências que tem no diário na internet para ver se ela consegue encontrar pessoalmente Naoko ou pelo menos saber se pelo menos Naoko ainda esta viva.

Naoko passa uma temporada de férias com sua avó Jiko no templo budista onde ela é monja e aprende a agradecer por tudo que tem em sua vida, inclusive até a fazer as necessidades básicas no banheiro, achei engraçado esse relato dela mas até tem fundamento, aprende também a não criar ódio por ninguém e mesmo sendo maltratada por seus amigos na escola ela acaba tentando praticar tudo que sua avó Jiko lhe ensina.

Página 58
Minha velha Jiko diz que tudo acontece devido ao seu carma, que é uma espécie de energia sutil que você gera através das coisas que faz ou diz ou até mesmo pensa, o que significa que você tem que se vigiar e não ter muitos pensamentos devassos, senão eles voltam para te pegar.

Nessa viagem ao templo budista ela conhece o irmão de seu pai, já morto na guerra e esse tio deixa um diário também de memórias de tudo que viveu na guerra e precisou enfrentar, os relatos são emocionantes e também passa uma outra visão do Japão e de como esse povo já sofreu na vida.
Página 301
Eu só conseguiria parecer ridículo aos meus próprios olhos se insistisse em me agarrar a vida quando ela nada mais tem a oferecer. Sócrates.

O livro é muito bom, só pecou mesmo no inicio acho que talvez não seja um livro fácil de se engatar de ler sem parar, mas depois que começa não queremos mais parar de ler.

Um ponto negativo no e-book que foi onde eu li é que o livro tem muitos termos e gírias em japonês e a tradução disso fica somente no final do capítulo, isso atrapalhou na hora de querer saber o significado.

Mas com certeza é um belo livro que te passa muitas lições de aprendizado, de como entender melhor a vida, e de como a diálogo é importante.

Um livro que te faz sonhar e com certeza refletir na vida de uma forma única, um livro que te deixará com saudades de Naoko com toda certeza!

Na maratona literária pede para assim que ler um livro indicar uma música que combine com a história que leu, como no livro ela fala um pouco sobre Edith Piaf que eu gosto muito pensei nessa música que tem tudo haver com viver:



Beijos 

Até mais... 



24 comentários :

  1. pow eu não me interessava pelo livro antes por causa da capa, agora não me interesso por causa da história uhsauhsa
    sério, não leria mesmo achei sem graça.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  2. Oi Dressa como falei adorei o título desse livro, a história me chamou atenção pela ambientação da história que fica no Japão, tenho uma amiga que mora lá e ela conta vários contos de lá! Mesmo a parte que ela sofre com Buylling no colégio ele tem a mensagem no final né! Quero ler!
    bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  3. Oi Andressa.
    Achei a trama bem interessante. Parece que é uma ótima história, sobre superação, com cenário e costumes do Japão. Parece que a narrativa inicial é um pouco cansativa, mas é algo que dá para relevar.
    A capa é bem bonita e espero poder ler esse livro em breve.

    ResponderExcluir
  4. A capa não é nada atrativa, mas a história parece sim ser interessante. Só acho que deve ser um pouco confusa. Começar com Naoko narrando e depois ficar com a narrativa intercalada, deve misturar tudo não?
    Mas eu gostaria de conhecer melhor a história.

    Bjok

    ResponderExcluir
  5. Gostei da história do livro. Apesar de achar a leitura melancólica.
    Pretendo muito ler!

    ResponderExcluir
  6. Profundo! Sua resenha me fez ter vontade de ler, mas sempre preciso me preparar psicologicamente para livros com abordagens mais profundas e que nos fazem refletir. Fiquei interessada para saber mais sobre a avó de Naoko e os relatos sobre como as coisas aconteceram no Japão.
    bjinhos

    ResponderExcluir
  7. Desde o lançamento, estou interessada em ler esse livro. O enredo chamou minha atenção. Achei super interessante uma mulher canadense achar um diário de uma garota japonesa. Fiquei super curiosa com o conteúdo do diário.

    ResponderExcluir
  8. Parece que é bom, adoro livros que mostram outra cultura que não seja a americana

    ResponderExcluir
  9. Gostei bastante da resenha e a premissa me interessou muito. Eu não conhecia este livro, mas o fato da história se passar em um lugar onde eu li muitos poucos livros descrevendo e o tema ser emocionante me levaram a querer ler este livro.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Dressa!! Acho que eu ia me irritar um pouco com a tradução apenas no final do livro, acho que isso interrompe a leitura, não curto! Mas parece ser uma história bonita!!! Ahhh, adoro Piaf!!

    Beijos

    Mari
    Cantinhodeleituradamari.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Nossa Dressa, eu não conhecia o livro, adorei o título, é bem diferente do que eu estou acostumada a ler, e confesso que o ultimo livro que li que tinha narração em primeira e terceira pessoa me deixou um pouco confusa.
    Mas acho que leria, não agora, mais quem sabe em uma outra oportunidade.

    Bjks

    Patty Santos
    Blog Coração de Tinta

    ResponderExcluir
  12. Muito ruim ler um livro que no começo não te prende
    Esse livro não me chamou atenção que pena :/
    Quem sabe algum dia eu leio já que sua resenha foi ótima

    ResponderExcluir
  13. Esse livro não me chamou atenção por causa da capa. Mas lendo a resenha fiquei interessada pela história, que parece ser bem emocionante e sensível. Só não gostei do início do livro ser cansativo, normalmente isso e desanima a continuar a leitura. Não é um livro que eu leria agora, mas quem sabe no futuro?

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  14. Ei Dressa, não conhecia o livro, mas parece interessante. Está na moda livros desse tipo, né, em que uma parte da narração é um diário, rs.
    Eu não curto essas traduções em final de livros nem nos físicos, então imagino o quanto deve ser irritante te-los num ebook, rs.
    beijos

    ResponderExcluir
  15. o livro parece ser encantador... Eu tambem não sou muito fã de traduçoes em finais de livros.. principalmente se é constante.... mas as vezes é necessario.

    ResponderExcluir
  16. Oi Andressa!
    Me lembro quando a editora lançou uma enquete para a escolha da capa desse livro. Gostei da que foi escolhida! :)
    O livro parece trazer uma lição de vida e mesmo sendo um pouco cansativo, acho que eu arriscaria a leitura.
    Acho interessante essa coisa de diário... é como se fosse duas histórias em uma! rs

    ResponderExcluir
  17. Não gostei da capa do livro, não achei nem um pouco atrativa, a história também não me chamou atenção, e o fato das traduções de gírias serem feitas no final do livro é outro ponto negativo, prefiro que seja no final da página.

    Gosto de livros que apresentam novas culturas, mas esse realmente não me chamou atenção, eu não leria.

    ResponderExcluir
  18. Apesar de curtir todo esse lado budista da história, já tenho tantos livros para ler, que provavelmente não iria ter paciência pra ler isso, por dois motivos. Primeiro porque é ebook, e segundo porque você disse que o começo te deixou meio perdida e foi meio arrastado. Tô procurando livros sensacionais; livros abaixo disso eu estou deixando passar.

    ResponderExcluir
  19. É uma história comovente e com toda certeza merece ser lida, fiquei interessado para saber o que Naoko sofre e descobrir mais sobre sua família, sem contar que a autora colocou partes de sua vida no livro o que deve ter deixado tudo muito melhor, acredito que a leitura deste deve demandar maior atenção e calma, é um daqueles livros que merece ser lido lentamente para aproveitarmos ao máximo, dica anotada.

    ResponderExcluir
  20. Bem interessante a história, como toda esse lado oriental, com budismo e tal. Mas, fiquei com um pé atrás por você ter dito que demora pra engatar a leitura, gosto de livros que a leitura flui facilmente...

    ResponderExcluir
  21. Nunca tinha ouvido falar deste livro. A resenha está perfeita, me fez ficar interessada pelo livro, a sinopse já tinha chamado minha atenção, sua opinião sobre o livro só aumentou esse interesse.

    ResponderExcluir
  22. Adoro a capa desse livro, é meio estranha, mas adoro do mesmo jeito ")
    Achei bem legal esse enredo, parece bem profundo e apesar de não ser um gênero que eu curta muito, eu leria sim.

    ResponderExcluir
  23. Esse livro nao me interessou, acho que nao leria, mas é como dizem né "never say never" posso estar enganado né, talvez se eu ganhar o livro algum dia e de repente bate uma vontade de ler, ja aconteceu isso comigo, ja ganhei um livro que nao achei que ia ler, mas um dia deu vontade peguei e fui ler, e gostei muito.. hahahaha

    ResponderExcluir
  24. Oi Dressa, tudo bom?
    Meu medo de ler esse livro é o começo mais lento, mas quero lê-lo no mês de julho. Sua resenha me deu mais força para começar a leitura e parece ser uma história muito bonita e enriquecedora.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir