Resenha - A Festa da Insignificância


A Festa da Insignificância
Autor: Milan Kundera
Gênero: Literatura Estrangeira / Romance
Páginas: 136
Sinopse: Skoob

Avaliação:

Olá, tudo bem com você? 

Resolvi ler esse livro por abordar temas sobre filosofia que gosto muito e por esse ser em forma de romance achei que iria gostar, mas infelizmente essa é a resenha mais difícil de se fazer, apesar de ter lido o livro em apenas um dia, a história não me cativou e ao terminar a leitura fiquei com aquela sensação de não ter entendido nada do que tinha acabado de ler. 

O livro conta uma história simples sobre quatro amigos: Alain, Ramon, Charles e Calibã, eles moram em Paris e se encontram em alguns lugares da cidade, como os Jardins de Luxemburgo e uma festa bem inusitada onde trocam ideias sobre diversos assuntos.

A leitura até que  flui rápida os capítulos são bem curtos, e os assuntos são simples mas com uma pegada leve de filosofia, creio que o autor quis contar uma história qualquer apenas para mostrar suas ideias filosóficas, mas eu por gostar de filosofia não entendi muitas passagens e assuntos que os amigos discutiam.

Um dos amigos lê um livro chamado "Memórias de Khruschóv " e debatem alguns assuntos, muitos na minha opinião de pouca relevância, pois um dos amigos acha um absurdo as mulheres andarem na rua mostrando a barriga. 

A questão é que um dos amigos esta amando ler esse livro e pretende fazer uma peça de teatro com algumas passagens que ele comenta com seus amigos.

Página 31
- O tempo corre. Graças a ele, em primeiro lugar estamos vivos, o que quer dizer: acusados e julgados. Depois, morremos, e continuamos ainda alguns anos com aqueles que nos conhecem, mas não demora a ocorrer outra mudança: os mortos se tornam velhos mortos, ninguém se lembra mais deles  e eles desaparecem no nada.

O livro é de capa dura, não sei dizer porque mas amo livros de capa dura, e realmente o fato de andar com eles na bolsa facilita muito, as páginas são amareladas e grossas, e a letra está de bom tamanho.

Alguns capítulos o autor repete coisas do que já disse no começo da leitura mas depois explica o motivo de repetir algumas coisas. 

Página 45
Estou me repetindo? Começo este capítulo com as mesmas palavras que empreguei bem no início deste romance? Sei disso. Mas mesmo se já falei da paixão de Alain pelo enigma do umbigo, não quero esconder que esse enigma continua a preocupa-lo, como vocês também se preocupam durante meses, ás vezes anos, com os mesmos problemas (certamente muito menos nulos do que este que obceca Alain). 

É um livro bem diferente do que estou acostumada a ler, mas infelizmente não consegui entender nada do que foi dito, mas como gosto não se discute, só lendo para você saber se será do seu agrado. Para mim foi um livro confuso e que infelizmente não me agradou, tanto que nem consegui explicar direito na resenha.

Beijos

Até mais... 


25 comentários :

  1. Não dá pra negar que a capa é muito linda, principalmente sendo capa dura que também gosto muito. Mas infelizmente não me dou bem com filosofia, então não seria um livro que eu leria pq se você que gosta não entendeu, imagina eu.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi, Andressa, tudo bem?
    Pena que você não gostou, uma amiga minha leu e disse que é super bom. Mas, como tu disse, gosto é gosto!
    Também adoro livros de capa dura, eles não estragam facilmente e também parecem com os livros de filmes né? rs
    Beijos <3
    http://livros-cores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá Andressa,
    bom olhando pela capa eu não interessei, mas lendo a sinopse, eu esperava algo a mais. Contudo ao ler sua resenha, notei algo sem nexo no total. E logo depois li sobre filosofia, e foi o que me fez brochar totalmente. hahaha
    Desta vez, deixarei passar. Mas para quem gosta desejo um otima leitura.

    Parabéns pela resenha!

    Beijokas Ana Zuky

    Blog Sangue com Amor

    ResponderExcluir
  4. Oi Andressa, tudo bem? Kundera não é fácil de ler mesmo! Mesmo sendo romances, são densos e filosóficos e cheios de pensamentos. Li A Insustentável Leveza do Ser (e resenhei no b,log), que é um livro pequeno, mas demorei muito para ler, o tempo todo tinha que parar e pensar no que os personagens estavam pensando.
    Mas ainda quero ler esse livro!

    Beijocas
    www.serleitora.com.br

    ResponderExcluir
  5. Andressa se você que gosta de filosofia não entendeu o livro eu fico imaginando eu então que não gosto rs O livro não me chamou a atenção e como você você disse que não gostou dele ai piorou de vez. bj

    ResponderExcluir
  6. Oies..

    Nossa eu nem conhecia e ai agora que você disse que não gostou, nem faço questão de conhecer mesmo rs.

    Andressa fiz uma tag lá no blog e indiquei vc, se quiser fazer...

    Beijos Fer

    ResponderExcluir
  7. Oi Dre, tudo bem?

    Não conhecia esse livro. É da parceria com a editora? Tb adoro livros com capa dura *-* Pena que vc não conseguiu se identificar com o livro.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  8. Lendo sua resenha,digo com quase certeza,que não curtiria ler esse livro.
    Nunca gostei muito de filosofia e mesmo tendo uma história de fundo,não me senti convencida.

    ResponderExcluir
  9. Oi Dressa, não conhecia o livro, mas achei super legal vc ler, e conhecer novas possibilidades, eu curto filosofia mas faz tempo que não leio nada a respeito! Sabia que nao tenho nenhum livro de capa dura :(
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  10. Olá Andressa, tudo bem? A capa do livro me chamou bastante atenção e principalmente ser capa dura. Mas que pena que a leitura não lhe agradou muito. Parece ser um livro interessante e sou simplesmente apaixonada por Filosofia. Mas não fiquei com muita vontade de ler, por parecer confuso e não me agrada esses tipos de leituras.
    Mas enfim, gosto é gosto. Quem sabe eu não lendo, não tenha a opinião contrária.
    Enfim, parabéns pela resenha e realmente é difícil falar de um livro que você não gostou kkk.
    Beijos e sucesso!

    ResponderExcluir
  11. Oi Andressa..
    Nunca tinha ouvido falar no livro.
    Mas confesso que sabendo que tem filosofia não curti muito. Não que não goste de filosofia, mas peguei trauma desde que li O mundo de Sofia.
    E ainda mais que voce não entendeu nada...desanimei..rs

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oie! Amei a capa, mas não seria um livro que eu leria!
    Bjs, tem promoção no blog http://resenhasteen.blogspot.com.br/2014/08/promocao-de-aniversario-do-amor.html
    se puder comentar nesse post ajudará muito:
    http://resenhasteen.blogspot.com.br/2014/08/gringos-online.html
    Nay =D

    ResponderExcluir
  13. Só duas estrelas?! Ohh, que pena! Eu quero tantoooo ler esse livro!
    Espero não me decepcionar também. :/
    Nem me fala... eu também amo livros de capa dura! São perfeitos né?
    Bjss!

    ResponderExcluir
  14. Uma pena a leitura não ter te agradado. Esse não parece ser um livro que eu iria gostar também.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oie...
    Também fiquei triste pela leitura não ter te agradado tanto.
    Não conhecia o livro mas isso já me desanimou e não pretendo lê-lo!
    Gosto de livros de capa dura e esse é muito lindo! Quem sabe por isso não dê uma chance para o livro no futuro rsrsrs sim eu compro livros só pela capa.

    ResponderExcluir
  16. Oiie Andressa!
    Se você ficou confusa com a leitura imagina eu então,sou pessima com termos filosoficos.Também adoro livros de capa dura,mesmo não tendo muitos,e a história com certeza não me atraiu,é bem diferente do que eu leio normalmente e chego a ser um pouco rígida com novos gêneros.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Andressa!
    Livros com essa pegada mais filosófica não me chamam a atenção. Tramas que nos fazer refletir são muito legais, mas livros que tenham esse tipo de leitura mais rebuscado e confuso, não fazem meu estilo. Acho que você foi uma guerreira por ter conseguido finaliza-lo.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  18. Aiii, não sou muito fã de coisas filosóficas, sei lá.. as vezes fico boiando. hahaha
    E também o livro em si não me chamou nenhum pouco atenção. Acredito que se eu lesse ficaria com a mesma sensação que vc.

    ResponderExcluir
  19. Gosto muittttoo deste tipo de livro que faz um filosofia mais algo mais natural nao muiiito classico e antigo ! Adorei a capa dela parece ser bem dura!

    ResponderExcluir
  20. Oi Dre!
    Não é o tipo de leitura que me agrada, então dessa vez eu passo =)

    ResponderExcluir
  21. Oii
    Esses livros me agradam muito, tenho "A insustentável leveza do ser" de Milan Kundera (também em capa dura) e pretendo lê-lo nas minhas férias, ouvi muitos elogios a Kundera e quero ler para dar minha opinião. Vou começar com o que eu tenho e talvez, leia A festa da insignificância. Pode ser que eu goste, na verdade, é quase certo. kkkk
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Tão ruim quando a gente acha que vai gostar do livro e se decepciona, né?!
    Pela sua descrição, percebo que não é o tipo de livro que me interessa realmente. Achei o título bem legal, mas provavelmente eu não lerei esse.
    Beijos

    http://entrelinhaslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. É num parece ser aquele romance que cativa o público mesmo não, mas quem sabe um dia quando eu estiver terminado de ler todos os livro que quero ler eu naum leio este,,kkk

    ResponderExcluir
  24. Já não gostei do livro pela sua resenha. Não é nada instigante aparentemente!

    ResponderExcluir
  25. Oi Andressa, tudo bem? Uma pena que não tenha gostado. Kundera é uma leitura confusa mesmo. Li outras duas obras do autor e gostei, mesmo sendo bem diferente das leituras que estou acostumada. Kundera me faz pensar bastante, me faz quebrar a cabeça, e isso é bom, né? A gente fica tentando achar o nosso sentido naquilo que o autor escreveu. Estou lendo "A festa da insignificância", estava pesquisando sobre o desenho da capa e acabei caindo aqui no seu blog. =) Realmente, este novo livro do autor é, de longe, o mais confuso que os outros que li. Recomendo muito "A insustentável leveza do ser", achei muito bom (apesar de ter, como sempre, a dose de filosofia do autor, que também não é o meu forte). Escrevi sobre o livro aqui, se tiver interesse em ler: http://sobrelivrosetraducoes.wordpress.com/2014/01/24/a-insustentavel-leveza-do-ser/
    Fico espantada com o poder de uma crítica negativa. Estava lendo os comentários, e ninguém quer ler o livro depois de ler a resenha! =s Haha Acho que tem bastante coisa no livro que faz a gente pensar, principalmente por ser confuso. Como o personagem Alain cria uma imagem idealizada da mãe, por ter sido abandonado. Como o abandono influência a pessoa que ele se tornou. A questão da culpa (ou você é a pessoa que acusa, ou é a pessoa que pede desculpa a vida inteira). E outras coisinhas mais! ;) Beijos, e adorei o blog!

    ResponderExcluir