Literatura Nacional, Vamos Conhecer?


Olá, tudo bem com você?

Hoje tem autor de romance na área com vocês apresento "Minha Querida Aline" confira a sinopse abaixo:


Mais que uma história de amor, esta obra traz a trajetória de um jovem apaixonado, porém devastado, narrando suas aflições amorosas ao próprio leitor. Ele conta sobre um amor não correspondido, intenso e tempestuoso. Desde o início, ele soube que sua amada Aline não poderia ser sua, pois ela não gostava de garotos.
Mas o tempo é um martírio para as almas envoltas pela paixão. Com o convívio diário, o jovem se apaixonava cada vez mais por ela. Passeios na universidade, longas conversas, reflexões, confissões foram momentos que contribuíram para fazer com que se esquecesse do mundo e só visse importância em Aline.
Ele não consegue esquecê-la e se culpa por isso. Por vezes, depois de tomar atitudes que beiravam a loucura para tentar conquistá-la, justificando-as com a teoria do amor puro (visão particular desse jovem em relação à citação de Nietzsche “aquilo que se faz por amor está acima do bem e do mal”), sabia que nunca poderia tê-la, mas, ao contrário de outros livros, aqui, esse amor não o fortalece, e sim, o destrói. Assim, encontramos a contradição de uma alma, que vai da extrema contração do ódio à redenção pelo amor.


Confira agora o bate papo que tive com o autor Marcelo Vinicius :

 Nome: Marcelo Vinicius
Idade: 33 anos

Cidade Onde Mora: Feira de Santana-BA

Como surgiu a ideia de escrever "Minha Querida Aline"?
Na verdade, o romance “Minha Querida Aline” surgiu de um fato real: quando eu me apaixonei por uma garota da universidade na qual estudo.


Tem uma frase de François Chateaubriand, que foi um grande escritor francês do século XIX, que diz: "Estamos convencidos de que os grandes escritores colocaram a sua própria história nas suas obras. Pinta-se bem apenas o próprio coração, atribuindo-o a um outro". Tirando o trecho da frase em que diz “os grandes escritores”, o restante dela tem muito a ver comigo (risos).

Mas, é claro, que eu não fiz uma biografia sobre mim. Como é certo que, para o bem e para o mal, muitos escritores escreveram sobre a realidade que sofreu e de que se alimentou, embora, às vezes, possam fazê-las sobre histórias distantes no tempo e no espaço e totalmente ficcional, eu também fiz assim. A inspiração não vem do nada. Vem de algo. Então, tive como inspiração algo que eu vivi: uma paixão por uma garota, mas a história que eu conto é, obviamente, totalmente uma ficção, é romance, é loucura ao extremo e é muita angústia por amar alguém.

Cada escritor tem a sua forma de escrever, mas, para mim, mesmo que um livro fale de vampiros, de monstros ou simplesmente de humanos precisa de uma conexão com o íntimo daquela pessoa, com o próprio autor da obra, já que a literatura é a testemunha de uma vida.

Por exemplo, sem maiores detalhes, se pegarmos como modelo a escritora J. K. Rowling, há relatos, a partir de estudiosos da literatura, que dizem que a Hermione (uma personagem dos livros de “Harry Potter”) é vagamente baseada na própria escritora J. K. Rowling. A Rowling uma vez disse: “Ela é uma caricatura de mim quando eu tinha onze anos...”. Outro fato é a respeito do tal do Sean Harris, o melhor amigo nos últimos anos do ensino médio de Rowling, o qual, segundo a escritora, inspirou um personagem em seus livros. A Rowling afirmou o seguinte sobre o seu amigo Sean, da vida real: "Ron Weasley (o melhor amigo de Harry Potter) não é um retrato vivo de Sean, mas ele é realmente muito o Sean". Você pode encontrar esses relatos da escritora Rowling nos sites americanos, como The New Yorker etc. E, assim, mesmo com tantas inspirações que surgem da vida pessoal, nem por isso vemos a vida da própria Rowling em suas obras, pois tem muita mistura de ficção e inspirações mitológicas nos seus livros, é claro. A arte é isso mesmo, é também inventar a partir de algo. 

Mas, enfim, o caso aqui não é saber se foi ou não real esses rumores sobre essa escritora e as suas inspirações, pois o que quero mostrar é que as pessoas se inspiram em pessoas, e esse foi o meu caso, minha inspiração vem de uma paixão em que vivi! (risos).



Quanto tempo demorou para a história ficar pronta?

Passei oito meses escrevendo, desde a primeira linha até à revisão da obra. Passava mais tempo escrevendo na madrugada, pois o silêncio da noite, as pessoas dormindo, e só você acordado ali, para mim, é inspirador. Gosto mais da noite, porque sinto mais o mundo e me sinto também. Não têm barulhos, você não é obrigado a prestar atenção em nada a não ser no que lhe interessa, ninguém te interromperá. 


Uma vez, um documentário da Rádio e Televisão de Portugal RTP, afirmou que a noite personificou ao longo de milênios os medos do homem, mas foi também a musa inspiradora para dezenas de obras de que marcam a história da humanidade. O poeta Dante ou o famoso escritor Shakespeare são apenas alguns dos autores que tiveram na noite a inspiração, personagem ou cenário das suas obras. Ler e escrever, para mim, é sempre melhor a noite. 

E se, diz a lenda, a noite viu-se diversas vezes vestida com o manto divino dos temores humanos, foi local de morte, mas também ninho de amor, passei, então, 8 meses de noites até sair o romance “Minha Querida Aline”, que fala de amor, ou melhor: de amores (risos).



O que o leitor pode esperar de "Minha Querida Aline”?

Às vezes acho que não é uma leitura fácil, não por ser uma leitura densa ou difícil de entender, não é nada disso, mas é pela carga emocional que coloquei no livro. Acontece que eu nunca aceitei a simplicidade do sentimento, do amor. Eu sempre quis entender de onde vinha tanta loucura, tanta emoção, e coloquei isso na obra, na qual não só envolve o amor, como ainda o preconceito, a angústia e as crises existenciais do ser humano, que muitos de nós passamos, mesmo alguns com mais ou menos intensidade. Então o leitor vai encontrar um romance que denuncia os problemas de seu tempo, levanta um assunto polêmico e atual: os valores humanos. Os personagens melancólicos e deslocados desta obra tentam encontrar o próprio espaço em uma sociedade contemporânea que os rejeita seja por que motivo for.


Em uma escrita estonteante, a paixão exagerada do protagonista-narrador pela sua amiga Aline, levando-o a ruína de si mesmo, chama-nos a uma reflexão sobre nós, sobre nossas atitudes perante as pessoas junto aos temas como preconceito, alienação, valores humanos e amor, muito amor.

Pela sinopse do livro já se vê o que comento aqui, de alguma forma: o amor que o personagem diz ter por uma garota da universidade em que estuda – a Aline do título da obra “Minha Querida Aline” – é o que move a trama, move o personagem, move suas tentativas de formulações filosóficas sobre o mundo e sobre as pessoas.

Como disse Yves São Paulo, formado em Filosofia e editor da Revista Sísifo, ao comentar do meu romance “Minha Querida Aline”: o amor, caro leitor, é o principal motivo em “Minha querida Aline”. É a compreensão de que o outro também possui a liberdade, a capacidade, e a vontade de amar a quem quiser. Este tema universal deixa-nos bem clara uma das virtudes deste livro: a possibilidade de falar a qualquer pessoa, de qualquer lugar, de qualquer momento histórico. Uns poderão ficar mais escandalizados. Outros poderão partilhar a visão do narrador. Outros poderão ficar, ainda, indiferentes. Mas todos enxergarão ali o amor em suas mais diferentes formas (o difícil será aceitá-lo, mas aí já não é culpa do autor). Este conceito, tão difícil de desenvolver até mesmo por filósofos, escapa das páginas de “Minha querida Aline” da simples convecção das histórias de amor "um garoto conhece uma garota" para se tornar uma provocação. Na obra, o amor está em todos os cantos, em todos os gestos. Cabe-nos enxergar o amor em suas diferentes formas ali, na história, para que possamos enxergar em suas mais diferentes formas aqui, no mundo real.

Então, eu acho que é isso que o leitor vai encontrar no meu romance. Ou pode encontrar algo a mais, já que cada leitor tem uma visão de mundo. O que é bom. Porém, mesmo com tudo isso, é uma história envolvente e leve ao mesmo tempo, e que tem fluidez e um grande apelo. Mas, na verdade, acho que é só lendo mesmo a obra para que cada um descubra o que há nessa nossa querida Aline dessa história (risos).



Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever?

Meus autores preferidos são os clássicos da literatura mundial, escritores como Dostoiévski, Kafka, Clarice Lispector etc. E para não dizerem que só olho para o passado, gosto muito do escritor Jeffrey Eugenides, dessa nossa nova geração, que escreveu o livro “As Virgens Suicidas”, que até virou um filme (risos); e sim, eles de alguma maneira me inspiraram a escrever, inclusive alguns deles são citados pelo próprio narrador deste meu romance.


Se "Minha Querida Aline" pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria?




Se pudesse ter uma trilha sonora? Digo-lhe que o livro “Minha Querida Aline” tem não só uma, mas várias trilhas sonoras (risos). No decorrer da história dessa obra, aparecem várias citações de músicas, de cantores nacionais e internacionais. 


Inclusive, quando o personagem apaixonado passa por um dos seus maus pedaços, sofrendo pela sua amada Aline, ele escuta, por exemplo, a música “Born To Die”, da cantora Lana Del Rey. E adivinhe por que ele escuta logo essa música? Porque é a música preferida da sua amada Aline. A personagem Aline é fã de Lana Del Rey.

E também o personagem apaixonado escuta músicas do cantor Sixto Rodriguez, como “Forget It”, “I Wonder”, “Rich Folks Hoax”, “Sugar Man”, “Crucify Your Mind”… E mais outras canções de Rodriguez que insistiam em acompanhar o tal personagem.

Até recomendo ao pessoal, ao leitor, procurar essas canções no Youtube, pela internet, para que se envolva mais, caso resolva ler "Minha Querida Aline", por estar lendo o livro e escutando as tais músicas ao mesmo tempo, criando aquele clima... (risos).

Assim, acredito, que todas essas músicas que comentei aqui são trilhas sonoras para cada cena diferente que ocorre na obra “Minha Querida Aline”. Há muitas canções nela. É um romance rico de referências a outros livros e às músicas, e que o leitor pode se aproveitar bastante dessas dicas.



Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão?

Escrevo muito, sou cheio de rascunhos na “gaveta” para os futuros livros, mas também faço um monte de outras coisas que envolvem a arte. Então, vou comentar um pouco sobre mim: sou amante de literatura, fotografia e cinema. Sou graduando em Psicologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), editor da Revista Sísifo e faço parte da equipe editorial da Revista Ideação – UEFS.


Sou integrante do núcleo de estudos em Filosofia da Arte e do projeto de pesquisa em Filosofia Contemporânea, os quais fazem parte do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Filosofia (NEF / UEFS). Participei do projeto sobre cinema, na UEFS também.

Coordenei projetos acadêmicos sobre os escritores Franz Kafka e Fiódor Dostoiévski, e apresentei o tema “A relação entre o escritor Dostoiévski e o cineasta Hitchcock no filme ‘Festim Diabólico’, na II Mostra 100 Anos de Cinema: Alfred Hitchcock.

Deixe uma mensagem para nossos leitores
Eu quero agradecer esse espaço que me foi dado. Como venho conversando sempre com as pessoas que são minhas amigas e são envolvidas com as artes, essa iniciativa de blogueiros e blogueiras, como o querido blog “Livros e chocolate quente”, tem um papel fundamental na nossa sociedade, pois criam um local para comentarem sobre a literatura, sobre os livros, e não só sobre os internacionais, como também sobre os nacionais, os nossos escritores nacionais (e tem muita galera boa aí, nacionalmente, para ser lida mesmo). Blogs, como “Livros e chocolate quente”, têm um papel muito importante não só para formação de nossos leitores ou formação de novos leitores, como para a educação do nosso país e para fortalecimento da nossa literatura, para que possamos, cada vez mais, ser um país onde nos tornemos referência na literatura mundial, como já vem acontecendo em outros países, mas para conseguimos isso, precisamos também ler uns aos outros aqui e nos orgulharmos de nós mesmos, e não só olharmos para o lado de fora. Por isso, agradeço muito este espaço.


E para os nossos leitores, que possam viajar muito nesse mundo que é a literatura, não só a internacional, mas, como dito, também a literatura nacional! O mundo dos livros é sensacional! Ah! Claro, se puderem, leiam o “Minha Querida Aline” e descubram o que tem lá, além do que foi dito aqui (risos). Digo isso, porque é muito legal receber o feedback de vocês leitores. O livro tem pouco tempo que foi lançado, porém, tanto no site da editora como no site Skoob, como ainda no meu e-mail, por exemplo, já tem um pessoal comentando sobre o romance, o que é legal. Por isso que estou sempre disponível para tentar responder todos os e-mails, mensagens de vocês; e é bom trocar conversas. A gente cresce muito com isso.



Quem quiser me encontrar, é fácil, é só acessar o meu site: www.marcelovinicius.com e também o meu Facebook: www.facebook.com/celovinnicius



Valeu pessoal, que ler o blog “Livros e chocolate quente”; vamos nos falando por aí! E cuidado com o coração, viu? O amor está aí a mil na sua universidade, na sua escola, no seu bairro, no seu condomínio, em cada esquina de sua cidade e no romance “Minha Querida Aline”! 



Beijos! Foi muito bom este bate-papo com e para vocês!



Adorei conhecer o Marcelo e agradeço sua disponibilidade em aparecer aqui no blog desejo todo o sucesso para você.

Beijos

Até mais!


32 comentários :

  1. Gostei de conhecer esse autor e o livro dele me deixou curiosa pela carga emocional que ele diz ter *-* Estou adorando essa coluna do blog voltada para os autores nacionais.

    ResponderExcluir
  2. Gostei de conhecer tanto o autor quando o livro, a sinopse me deixou curiosa sobre a história, achei diferenciado abordar não só as maravilhas que o amor é, mas onde ele pode levar, e como diz na sinopse que no livro o amor não fortalece mas destrói, deixa uma curiosidade sobre o que vai causar ao protagonista , pretendo ler, me interessei.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Dressa!
    Não gostei da capa do livro, achei muito estranha, mas o que importa é o conteúdo, né.
    Gostei do fato do livro ter uma grande carga emocional.
    Um abraço!!

    ResponderExcluir
  4. Adorei conhecer mais sobre o Marcelo, não conhecia o livro dele, mas achei bem interessante e eu leria sim, a unica coisa que não gostei foi da capa.

    ResponderExcluir
  5. Fiquei muito curiosa para ler o livro e conhecer esse outro lado do amor, abordado pelo autor. Bem diferente dos romances que li até aqui. Me chamou atenção, também, o ponto onde ele diz que, além do amor, a história nos fará refletir sobre nós mesmos, nossas atitudes, preconceito, valores humanos... Achei bem interessante!

    ResponderExcluir
  6. A história do livro é super cativante, só de ler a sinopse já fiquei com o coração apertado porque amor não correspondido é triste. O autor é super gente boa e fiquei inspirada pelas respostas dele. Entrevista super bacana, gostei!

    ResponderExcluir
  7. Lendo a sinopse do livro eu já tava pensando que era uma história original (pelo menos eu não me lembro de já ter lido nada parecido) e que deveria ter algo de autobiográfico, o que se confirma já na primeira pergunta (rs). Desejo sucesso e sorte ao autor realmente parece ser uma história muito interessante. :)

    ResponderExcluir
  8. Nossa! Cada resposta parecia uma tese de doutorado, hein?!?1 kkkkk Mas adorei a entrevista. O Marcelo parece ser um cara super legal e divertido. E temos algo em comum, também adoro a noite. Se pudesse, dormiria de dia, e trabalharia a noite. No mais, desejo todo o sucesso do mundo a ele e suas obras.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  9. Oi Dessa!!
    Adorei conhecer esse romance, que parece ser mega delicado e verdadeiro haha
    Ainda mais que se trata de amores não correspondidos, coisa que sempre tem né kkk
    Ele escolheu Lana Del Rey como tema, então já ganhou um lugar na minha listinha haha
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Oii Andressa! Tudo bem? Gostei desse autor, parecer ser muito simpático, meu parabéns a ele pela obra! Pela descrição parece ser um livro com um tema bom e delicado, espero poder ter uma breve oportunidade de lê-lo!

    Concordo com o Marcelo em relação ao fato de alguns personagens parecerem com seus respectivos autores! Já vi muitas entrevistas em que autores dizem que mesmo que você não queira, você acaba pondo um pouco de si no personagem sem mesmo perceber rsrs.

    Abraços =)

    Coruja Por Livros

    ResponderExcluir
  11. Nossa! Parece ser um livro incrível, diferente de muita coisa que já li.
    Sucesso para o autor.

    ResponderExcluir
  12. Andressa!
    Se o livro for tão bom e prolixo quanto as respostas do autor, certeza que vou gostar...
    Romances são sempre bom de serem lidos, vamos apreciar a ótica que ele dá ao livro.
    Semaninha de luz e paz!
    “Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas...”(Chico Xavier)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  13. Deu para perceber que ele é super culto, acho q esse romance tem.conteúdo em? Fiquei super curiosa p ler e gostei muito de conhecer o autor, parabéns pela.obra e sucesso.

    ResponderExcluir
  14. Deu para perceber que ele é super culto, acho q esse romance tem.conteúdo em? Fiquei super curiosa p ler e gostei muito de conhecer o autor, parabéns pela.obra e sucesso.

    ResponderExcluir
  15. Deu para perceber que ele é super culto, acho q esse romance tem.conteúdo em? Fiquei super curiosa p ler e gostei muito de conhecer o autor, parabéns pela.obra e sucesso.

    ResponderExcluir
  16. Olá Andressa e Marcelo,

    essa foi uma entrevista bem grande e rica de conteúdo. Adorei mesmo conhecer mais sobre o autor, e tudo que ele já aprendeu. Porém a história não me comoveu. Eu gosto de acreditar na felicidade, e vê uma história onde alguém sofre de amor constantemente por alguém que está fadado a não ser seu, pois gostar de alguém homossexual é muito complicado, afinal essa pessoa já teve uma carga emocional muito alta no processo de descoberta. Então, assim, não faz nada o meu tipo de leitura. Porém desejo toda sorte e sucesso do mundo ao autor, e que ele realize muito.

    ResponderExcluir
  17. OI Dressa...
    Gostei da sinopse, e saber da inspiração do autora na própria história. Amei a escolha do autor por essa trilha sonora, eu amo essa música.
    Ele já fez e faz bastante coisas fora a profissão de escritor.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Muito bacana!
    O livro tem uma premissa bem interessante e é raro ver homem escrevendo romance, hein? Eu pelo menos quase nunca vejo... deve ser uma experiência diferente.
    Eu também prefiro a madrugada para escrever... me sinto mais disposta, não sei. A criatividade vai a mil! Rs
    Sucesso para o autor

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kemmy, oi!

      "é raro ver homem escrevendo romance, hein?". Ri com esse trecho do seu comentário, não tinha parado para pensar nisso. Muito interessante...

      Sim, para escrever, madrugada sempre! (risos).

      Excluir
  19. Olha q legal! Gostei da entrevista do Marcelo Vinicius! E ele fala mesmo.. Hehe..
    Gostei das respostas, tb acho q mto do q o escritor escreve acaba colocando personagens q ele tenha convivido com alguém parecido ou ele próprio. Acaba q a todos nao foge tanto das raizes.
    A capa está belíssima! Adorooo cabelo brancos, acho chique demais!
    Eu adoro um romance e gostei do li sobre o livro. Leria o livro, ainda mais sendo de literatura nacional, temos q dar valor mesmo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Gostei muito da entrevista e achei o escritor super simpático mas não fiquei com vontade de ler esse livro não me chamou atenção então não vou dizer que vou ler quando tenho certeza que não ver. Boa sorte pra ele que vai entrar no mercado literário do Brasil.

    ResponderExcluir
  21. O livro não faz o meu estilo, mas adorei a entrevista e o autor parece ser muito gente fina! Adorei a dica dele de escrever de noite, vou tentar uma hora dessas, deve ser bem mais inspirador. =)

    Bjs!
    CarinaPilar.com | ...e a paixão pelos livros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carina,

      Que pena que não gostou do estilo, mas é assim mesmo, fazemos nossas escolhas e lemos o que nos identifica mais, cada um tem seu gosto! Você tá certa! Porém, tem o lado positivo dessa entrevista, para você: a dica de escrever a noite! Pelo visto, muita gente se identificou com essa dica. Logo veremos, na madrugada, um monte de janelinhas com luzes acesas! :)

      Bjs e obrigado!

      Excluir
  22. Oi, tudo bem? Eu gostei muito da capa e da sinopse. A premissa é bem no estilo de livro que u gosto e a entrevista com o autor foi bem bacana. Ele parece ser uma pessoa bem legal.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Gente, já quero esse livro!
    Adoro quando os autores saem do "lugar comum". Não lembro de já ter lido um romance destruidor, tão cheio de emoções assim e com um enredo tão incomum. Show! Vai para a lista!
    Sucesso, Marcelo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá pessoal, obrigado pelos comentários. Bom lê-los! Foram bem interativos!

      Oi Lary, que bom que gostou também do livro. Gostei dessa sua visão: "sair do lugar comum", é como se tentasse quebrar paradigmas, isso é legal. É bom tentar o desconhecido, acertando ou errando, só não podemos ficar no mesmo lugar, não é? Apostar sempre!

      Espero mesmo que o romance vá para sua lista!

      E obrigado!

      Excluir
  24. Adorei conhecer o autor Marcelo e sua obra repleta de emoções! *-*

    ResponderExcluir
  25. Há tantos comentários, não deu para responder um por um... Obrigado a todos! Que blog, hem? Uns 27 comentários! Que bom que gostaram da entrevista! Serviu até de dica para alguns: vão começar a escrever a noite. Só não me culpem se alguém esbravejar na porta do quarto de vocês, dizendo: "O que faz acordado uma hora dessas?! Dormir!!" (risos).
    Valeu por tudo, obrigado!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Poxa, muito bom saber que os escritores nacionais estão cada dia mais criativos e tentando desmontar paradigmas quanto a temas tão importantes como é o amor e a sexualidade. Achei super interessante a trama do livro e fiquei super curiosa para conhecê-lo, principalmente depois de ler a entrevista e saber que ele foi inspirado numa experiência real do autor, todo mundo descreve e conta melhor quando já passou por uma vivência parecida, e eu aprecio demais a tal "carga emocional" que o autor colocou no livro, apesar de precisar de muita força para conseguir levar a leitura difícil que ela acarreta. Adorei a entrevista e já quero conhecer o livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patrini Viero,

      É bom mesmo que tentem quebrar as regras, foram assim que grandes escritores entraram na história. Não que só basta quebrar paradigmas para ser grande, mas só em sair da mesmice, daquela história que já foi contada daquela forma, daquele ângulo com aquele tipo de personagem já conhecido, já valeu a tentativa, porque nos força crescer como leitor e como escritor, faz a gente entender que existe outra forma de ver o mundo pela literatura. Foge do comum. E obrigado por ter gostado do livro. Que bom que gostou da trama do livro. Sim, teve ponto de partida um fato real na história e tende ser mais forte quando parte daquilo que sabemos e vivemos também, como você disse. Fico feliz por querer conhecer o livro! Espero que o conheça o mais breve! Beijos!

      Excluir