Resenha - Estrelas Perdidas

Star Wars: Estrelas Perdidas

Estrelas Perdidas
Autora: Claudia Gray
Editora: Seguinte
Gênero: Aventura / Star Wars
Páginas: 446
Sinopse: Skoob

Avaliação: 




Oi gente, tudo bem?

Vocês lembram que eu comentei que o meu namorado é o maior fã de Star Wars que eu conheço? Ele está de volta para mais uma resenha sobre a série!

Espero que gostem!

Com carinho,

Mari Sacramento


"Bom dia amigos do blog Livros e Chocolate Quente!

Para quem não sabe quem eu sou, há alguns dias eu fiz a resenha de um livro chamado "Alvo em movimento". Foi um prazer colaborar com o blog e estou muito feliz em poder colaborar novamente com mais uma resenha.

A resenha de hoje, amigos, continua sendo de um livro do universo Star Wars. Dessa vez, o livro foi o genial "Estrelas perdidas", da autora americana Claudia Gray.

Então, vamos ligar os hiperpropulsores e avançar para a velocidade da luz!


Meus amigos, para mim, ter lido "Estrelas perdidas" foi uma experiência simplesmente espetacular. Arrisco-me a dizer que foi um dos melhores livros que eu pude ler nesse 2015 que está para terminar! O livro é tão original que eu desejei tê-lo escrito.

"Estrelas perdidas" se passa após o golpe dado por Palpatine no Senado Galáctico e a história se dá a partir daí. Tudo começa no planeta da Orla Exteior chamado Jelucan. Thane Kyrrel, um menino rico conhece a pobre menina Ciena Ree. Logo eles se tornam amigos, pois o interesse em comum com as naves imperiais e o desejo de voar aproximam as duas crianças rapidamente. Mesmo com a desaprovação das famílias e a aparente distância sócio-econômica, o leitor se encanta pela forma pura e inocente de como a autora guiou a amizade entre os meninos.

Eles vão crescendo e a amizade aumentando. Na adolescência, ambos entram para a Academia Imperial, instituição de ensino que forma oficiais para servirem ao Império. Diferentemente do outro livro que os acontecimentos se deram de forma rápida, em "Estrelas perdidas" a autora quis construir os dois personagens principais, mostrando as características deles e as personalidades, que vão ser bem distintas e determinantes para que o livro se torne o espetáculo que é.

É claro que a aproximação cada vez maior dos dois meninos e o desenvolvimento deles faz com que a amizade se torne algo mais concreto. Nada mais natural. Esse amor entre eles vem como um conta gotas na história. Aos poucos trazia algum elemento que demonstrasse o amor entre eles. esse amor vem de forma gradual e não avassaladora como em alguns livros. Talvez isso tenha feito com que eu me encantasse pela forma com que a autora apresentou esse casal, até porque não era só romance, pois o livro não trata só do amor entre Ciena e Thane. Ao longo desse processo de amadurecimento do amor entre os jovens muita coisa séria acontece e que já vimos nos filmes.

É muito curioso ver como a Estrela da Morte destrói Alderaan e como cada personagem reage. Ciena fez um juramento de lealdade para com o Império e consegue ver justificativa até para tamanha brutalidade. Já Thane começa a perceber a partir desse momento que o Império é podre e só espalha maldades por onde passa. A diferença de ideologia entre eles e em quem depositam sua fé fazem com que Ciena e Thane queiram seguir caminhos opostos. É nítido ver nas passagens do livro como Ciena e Thane tem visões de mundo e personalidades completamente diferentes. Como eu disse acima, isso é o grande mote do livro. É o que origina todos os conflitos.

E como a história continua, há a destruição da primeira Estrela da Morte, a batalha de Hoth, a construção da segunda Estrela da Morte e a sua consequente destruição. A cada evento, Ciena e Thane reagem de uma maneira, mas apesar de haver conflitos graças aos pensamentos diferentes, eles sabem que não podem viver separados, pois definitivamente um nasceu para o outro.


É a mistura perfeita entre o romance e ação. Percebam a originalidade da trama. Quem já havia pensado em mesclar romance com Star Wars? Palmas para a autora que pensou nisso!

Cenas bonitas se intercalam com perseguições entre TIE Fighters e X-Wings. Acredito que o livro consegue agradar a todos. Num dos momentos bonitos do livro, Thane e Ciena conversam:

"- Você sabe que não podemos nos encontrar nunca mais, não sabe? - Ciena perguntou enquanto Thane a abraçava. Ele já tinha ligado o escalador de encostas; o zunido do motor quase desaparecia com a força do vento.
- Dissemos isso na última vez.
- É diferente agora. Você não devia ter voltado, e eu... não sei se voltarei de novo.
- Estamos sempre dizendo adeus um ao outro -  Thane sussurrou na orelha dela. - Quando vou finalmente acreditar nisso?
Ela não respondeu porque não conseguia. Mesmo se ela e Thane não se vissem mais, ela sabia que de alguma forma a ligação deles perduraria. Ele era uma parte muito grande dela para desaparecer completamente enquanto Ciena vivesse" (Página 324).

Thane é o idealista que deseja ver a galáxia sendo um lugar melhor. É o típico personagem bondoso, que dificilmente não ganha a confiança do leitor logo de cara. Já Ciena mantém-se fiel aos valores como honra e lealdade, acima até mesmo de sua própria vida, como herdou de seus pais. Impossível não relacionar isso com a lenda da Roma antiga sobre Brutus. Brutus foi o fundador da República Romana, ao retirar do poder Tarquínio, o Soberbo, o último Rei de Roma. Após ganhar o poder, ao descobrir que seus próprios filhos tramavam contra a República Romana, ele teria executado seus filhos por traição, mostrando que os interesses da República de Roma vinham antes até mesmo de sentimentos pessoais ou graus de parentesco. É o caso de Ciena, que chega a irritar o leitor em alguns momentos com tanta lealdade cega graças a um juramento feito antigamente.

A autora pensou em tudo também! Há tantos personagens famosos que vemos em outros filmes, jogos, livros, que o leitor se alegra ao ver nomes como Piett, Ozzel, Mon Mothma, Carlist Reeikan, o próprio Lorde Vader, a Princesa Léia, Lando Carlrissian, o Imperador Palpatine, Jerjerrod, Luke Skywalker, Dak Ralter, Ackbar e outros tantos que de tanto aparecer podiam encher uma edição da revista Caras fazem a trama ficar ainda mais interessante.

A capa é muito bonita e mostra ao fundo metade de um símbolo imperial ladeado pela outra metade de um símbolo da Aliança Rebelde. Já conseguimos identificar o que se passa com os personagens exatamente pela capa. Assim como a capa de "Alvo em movimento" já resenhado aqui no blog, a capa parece ser feita de borracha quando a tocamos.


Por último, fiquem tranquilos amigos leitores: este livro não é jornada nenhuma para o filme "O despertar da força", ao contrário do que a capa sugere em sua parte superior. Mais uma vez, trata-se de uma figura de linguagem e não obrigação para que se possa entender o enredo do filme. Até porque nada na história desse livro conta sobre os acontecimentos do filme. Não há spoilers, tampouco dicas. Há apenas uma menção ao planeta Jakku, o que aparece no Episódio VII. Então fiquem sossegados quanto a existência de informações sobre o filme.

Espero que tenham gostado, pois eu fiquei impressionado com a beleza da história!

Um abraço e até a próxima!

"Marcos"






14 comentários :

  1. Adorei essa resenha :) Como disse na anterior nunca fui muito fã da série, e leria só o livro do Han Solo, mas essa história despertou meu interesse. Parece ter romance, ação e amizade na medida certa.

    ResponderExcluir
  2. Sua resenha está muito boa!
    Bom, ainda não li nada e nem assisti nada relacionado a Star Wars, mas leio muitos comentários positivos em relação, por esse motivo fiquei curiosa e quem sabe futuramente resolva ler Star Wars.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da tua resenha, muito bom.
    Como eu disse anteriormente, tenho imensa curiosidade em relação aos livros e filmes de Star Wars, espero que em 2016 eu possa fazer essas duas coisas.

    ResponderExcluir
  4. Como disse na sua outra resenha, não é de hoje que tenho uma vontade enorme em ler algum livro relacionado a star wars, já assisti todos os filmes (exceto o despertar da força) e cara essa resenha só me fez querer ler o mais rápido possivel! Adorei.

    ResponderExcluir
  5. Estou muito interessada em ler esses dois livros que vc indicou, gosto muito da princesa Leia e dos outros personagens, a capa realmente está muito bonita, está na minha lista de desejados.Beijos...

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Gostei da resenha, quero muito ler os livro da serie, mais primeiro quero assistir aos filme e para os fãs deve ser muito legal essas novos historias dentro da serie !!

    ResponderExcluir
  7. Olá, como eu disse na outra resenha do Star Wars nunca li nada relacionado, e não é uma leitura que me interessa... Mas muito boa sua resenha!!!

    ResponderExcluir
  8. Amei a resenha! Sucinta e esclarecedora. Estou terminando de ler a recente "trilogia" do novo cânone (Arma de um Jedi, Alvo em Movimento e Missão Contrabandista), esse e o Aftermath serão os próximos.

    ResponderExcluir
  9. Marcos!
    Realmente foi um golpe de mestre colocar um romance dentro de um livro de ficção, apimenta mais a leitura.
    Hoje fui assistir Star Wars e ainda estou encantada aqui...gostei muito!
    Obrigada por mais uma resenha.
    Desejo um 2016 carregado de saúde, realizações e muito sucesso em tudo que empreender.
    “O Ano Novo começa literalmente quando nos desprendemos dos velhos vícios que carregamos dentro de nossos corações.Façamos do dia primeiro de janeiro um dia de libertação e começo de uma vida de superação e busca por dias melhores.” (Alison Aparecido Ferreira)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Mari e Marcos,
    Acho que não entenderia bem a história para ler esse livro, mas foi o livro que mais me chamou a atenção. Talvez seja por causa do romance hahaha. Mas parece ser um ótimo livro e a resenha está ótima.
    Beijos s2

    ResponderExcluir
  11. Oi Mari você fez uma resenha incrível mas a serie star wars não me desperta vontade de ler mas o livro é lindo bjs.

    ResponderExcluir
  12. São lindos livros e sua resenha está ótima, mas não conheço nada sobre Star Wars, que pena.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Marcos.
    Eu sempre fico perdida com esses livros da Star Wars. Nunca sei a ordem certa para ler, aliás nem sei a ordem de assistir os filmes hehe. mas se o livro virou um dos melhores do ano, é porque é bom mesmo. E gostei de saber que a autora ousou e inseriu um romance na saga.

    ResponderExcluir
  14. Oi,
    Mais uma resenha dessa serie que eu não curto kkkk, enfim ótima resenha, mas sempre fico tão confusa com essa serie , não lerei com certeza.
    Beijos!

    ResponderExcluir