Resenha - Anna Kariênina

Anna Kariênina
Autora: Leon Tolstói
Editora: Companhia das Letras
Gênero:
Não - Ficção  
Páginas: 808
Sinopse: Skoob
 

Avaliação:


"Todas as famílias felizes são iguais. As infelizes o são cada uma a sua maneira."

Anna Kariênina é um clássico da literatura que já teve inúmeras edições e que em 2017 ganhou mais uma. A história é dividida em oito partes e gira em torno de dois casais que precisam ocultar seus verdadeiros sentimentos por conta de seus papéis na sociedade. Anna é uma mulher casada que sofre pelo seu amor proibido por Vronsky e Liêvin e Kitty, que sofrem com encontros e desencontros.

Ambientada na Rússia czarista, a história começa quando Stiepan Arcadievitch traí a esposa com uma preceptora francesa, ela exigiu uma separação. Stiepan não consegue acreditar que sua mulher exige a separação, afinal é “normal” os homens terem amantes e se a esposa conseguir o que quer, um grande escândalo irá se abater no nome da família.

A irmã de Stiepan, Anna Arcadievna Karênina vai para Moscou para tentar ajudar o irmão a se reconciliar com a esposa. Enquanto Anna atua como apaziguadora, ela acaba conhecendo e se apaixonando pelo conde militar Vronsky.

Kitty era uma jovem que recém debutava na sociedade moscovita que, influenciada pela pressão de sua mãe, é levada a acreditar que o seu futuro é com Vronsky. Dessa forma, ela rejeita (mesmo tendo sentimentos) Liêvin, um proprietário de terras que se apaixona por Kitty.

O livro é um romance, mas também tem uma grande crítica social da época, como a diferença das classes sociais ou a forma como a nobreza e a elite agiam. Além disso, há também uma crítica política, falando do governo e as frustrações geradas por ele.

“Não podia deixar de pensar naquela mulher, admirava-lhe a inteligência, a cultura, o tato, a naturalidade, e procurava adivinhar-lhe os sentimentos e penetrar até os receosos da sua vida íntima.”

Nenhum comentário :

Postar um comentário