Resenha: Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra

Mulher-Maravilha
Sementes da Guerra
 
Autora: Leigh Bardugo
Série: Lendas da DC #1
Editora: Arqueiro
 Gênero: Fantasia / Ficção / Jovem adulto / Literatura Estrangeira
Páginas: 400
Sinopse: Skoob

Avaliação:

“Mulher Maravilha” é o primeiro livro da série Lendas da DC e conta a história de Diana, filha de Hipólita e sua vida na Ilha das Amazonas. Diana está com aproximadamente 18 anos de idade e sabe que sua origem é diferente das demais Amazonas. Ela escuta os burburinhos diariamente e lida com o fato de que nem todas as mulheres da ilha a aceitam. Por conta disso, Diana tenta provar a todos que é uma Amazona também, através dos torneios ou de ações diárias. Em meio a uma competição, Diana ouve um grito aterrorizante vindo da costa e observa que um barco explodiu e que um de seus tripulantes está quase se afogando. É uma jovem humana e Diana decide quebrar a lei e resgatar a humana.

"Suas irmãs eram guerreiras experientes, forjadas a ferro pelo sofrimento e talhadas à perfeição ao passar da vida à imortalidade. Todas haviam conquistado seu lugar em Temiscira. Exceto Diana, nascida do solo da ilha e do desejo de Hipólita por uma filha, moldada no barro pelas mãos de sua mãe."

Acontece que a jovem resgatada é Alia, uma jovem de 17 anos de idade descendente direta de Helena de Tróia. Ela é uma semente de guerra. No momento em que pisa na ilha, as Amazonas começam a adoecer e Diana encara um dilema: ela deve matar Alia e impedir uma nova guerra mundial ou tentar salvá-la e encontrar uma alternativa?

Inicialmente, Alia acredita que Diana é integrante de algum culto maluco sem sentido, mas conforme a situação vai escalonando e Alia percebe que existe pessoas atrás dela, a jovem se dá conta de que sua vida está realmente em perigo e de que ela própria é um perigo para todos.

Juntas e contando com a ajuda de Jason, o irmão mais velho de Alia, Nim, a melhor amiga e Theo, esse grupo de jovens vai se envolver em uma aventura e tanto, incluindo deuses, homens armados e voos perigosos.

"Somente pertencia a Temiscira as amazonas que haviam conquistado o direito a uma vida ali. Morriam em batalha cobertas de glória, provando a força de seu coração. Se nos últimos instantes de vida clamassem por uma deusa, poderiam receber uma oferta de uma nova vida, uma vida de paz e honra entre irmãs. Atena, Chandraghanta, Pele, Banba... Deusas do mundo inteiro, guerreiras de todas as nações. Cada amazona conquistara seu lugar na ilha. Todas menos Diana, é claro."


Nenhum comentário :

Postar um comentário