Resenha - Perdão, Leonard Peacock

 

Perdão, Leonard Peacock

Autor: Matthew Quick
Editora: Intrinseca
Gênero: Romance / Drama / Literatura Estrangeira
Páginas: 224
Sinopse: Skoob

Avaliação:
 
Olá, tudo bem com você? 

2019 quase acabando e posso falar que em termos de leitura foi muito bom, finalmente voltei com meu ritmo e li muitos livros bons e esse foi um deles.

Ele já estava parado na estante a muito tempo e esse ano foi a vez dele, e acho que li no tempo certo, pois amei esse livro, talvez se tivesse lido em outro momento não tivesse gostado tanto como gostei. 

Leonard Peacock é o protagonista da história e é um adolescente de apenas 17 anos, ele mora sozinho, pois seus pais são separados, sua mãe trabalha com moda e nunca ligou muito para o filho, então Leoanard não tem muito com quem desabafar e nem alguém para cobrar ou ficar em cima dele caso ele faça algo errado, e também não tem com quem dividir suas alegrias.

Logo nas primeiras páginas já sabemos que ele está decidido a cometer um suicídio e também matar uma pessoa que já foi amigo dele. 

Mas antes disso ele precisa entregar alguns presentes para as 4 pessoas que mais ajudaram ele nessa vida de uma maneira ativa ou não, ele simplesmente acha que essas 4 pessoas o ajudaram quando ele mais precisou.

A primeira pessoa é um vizinho Walt, é um senhor de idade que mora sozinho e é muito fã de filmes de Humphrey Bogart, a segunda pessoa é Baback um colega de escola que ensaia violino e deixa Leonard escuta-lo e relaxar a mente enquanto toca, a terceira pessoa é Herr Silverman seu professor que ele mais gosta e o único a se importar com ele de verdade, e por último a quarta pessoa mais importe é Lauren uma garota cristã que ele gostou desde o primeiro dia que a viu em uma estação de trem entregando panfletos de sua igreja. 

Ele vai narrando seu dia desde sair de casa com uma pistola P-38 do seu avô que acaba de colocar na mochila e como vai se despedir de cada pessoa que ele gostou de ter por perto pelo menos por algum tempo bem no dia de seu aniversário de 18 anos.

E também conta como conheceu seus amigos, o que eles fizeram para tornar o dia de Leonard melhor. A leitura é rápida e muito envolvente, impossível não sentir pena de Leonard, dá vontade de dar um abraço nele e dizer que tudo vai ficar bem. 

Leonard é um menino muito inteligente, mas que não gosta de seguir regras e padrões da sociedade, então ele acha que não serve mais viver nesse mundo.


A leitura apesar de abordar um tema forte e pesado que é o suicídio, a leitura é leve, com momentos descontraídos, Leoanard é levemente sarcástico e até dei risada com algumas coisas que ele falava.

O livro está cheio de frases que me tocaram e foi até difícil escolher qual colocar aqui :  


Página 53
- Você me parece muito infeliz. E a maioria das pessoas que eu sigo é assim. Parece que não gostam de seus empregos, mas que também não gostam de voltar para casa. É como se odiassem todos os aspectos de suas vidas.

Ela riu e disse:
- Você precisa seguir as pessoas no trem para descobrir isso?

E eu disse:
- Tinha esperança de ter entendido errado.
E ela disse:
- Os seus colegas de escola também não lhe parecem miseráveis? Eu odiava a escola. ODIAVA!
E eu disse:
- Sim a maioria deles parece infeliz. Apesar de tentarem disfarçar o melhor que podem. Jovens fingem melhor do que adultos, certo? Minha teoria é a de que perdemos a capacidade de ser feliz à medida que envelhecemos.
Ela sorriu.
- Então, se já sabe tudo isso, por que segue adultos como eu? 
- Como disse antes, eu esperava estar errado, esperava descobrir que a vida fica melhor para algumas pessoas quando elas envelhecem, e que até mesmo as mais infelizes, como você e eu, poderiam ser capazes de gostar de ao menos algum aspecto da vida adulta. Como naqueles anúncios em que os gays dizem que eram atormentados no colégio mas que, depois de crescerem, descobriram que a vida adulta era como o paraíso. Eles dizem que melhora. Eu gostaria de acreditar que a felicidade na vida das pessoas propensas à tristeza pode ser pelo menos possível mais tarde.
 

A tristeza que Leonard sente é muito real e por tudo o que ele passa, quem lê e se envolve com a leitura sente de verdade pelo menos por algum momento o quanto é ruim você se sentir sozinho e estar sozinho o tempo todo. 
 
O livro me abriu os olhos para muitas coisas em minha vida, e aborda um tema também muito importante que é o bulling escolar o quanto as pessoas sofrem e o quanto uma zueira pode afetar demais a vida do outro e ele querer até se matar por causa disso.

Página 55
E foi quando eu percebi que, na maioria das vezes, a verdade não importa, e quando as pessoas fazem uma ideia terrível de você, é assim que você será visto, não importa o que faça.



O livro me tocou tanto que fiquei bastante emocionada com a leitura, pode ser que a história nem seja tão boa assim, mas comigo deu muito certo, pode ser por eu ter vivido situações parecidas e também por ter empatia por pessoas que sofrem tanto assim a ponto de quererem tirar a vida.




Página 72
A lógica do avestruz é muito popular em minha escola. É como se as pessoas em todos os EUA fossem continuar a levar os filhos á Disney World mesmo se soubessem que o parque funcionava com energia gerada por escravos trazidos clandestinamente da África, gente que era acorrentada e forçada a pedalar bicicletas ligadas a geradores, gente que era açoitada e passava a noite em gaiolas e que não recebia comida suficiente. Contanto que ninguém visse os escravos sendo chicotados. Oculte as atrocidades e a maioria dos americanos continuará sendo muito feliz. Deprimente.
 



O professor Herr Silverman fala nas suas aulas sobre o holocausto e faz seus alunos debaterem entre eles as atrocidades que teve na época, além de que o professor é diferenciado, enquanto muitos apenas dá bronca em Leonard ele se preocupa de verdade com Leonard talvez até sinta que ele pode tirar a vida mesmo algum dia e resolve ajuda-lo. 




Página 100
- Por que você está me dando isso?
- Bem, por uma porção de motivos. A maioria eu realmente não consigo explicar direito. É por isso que as pessoas dão presentes, certo? Porque não sabem como se expressar em palavras , então dão presentes para expressar simbolicamente seus sentimentos. Eu acho que o mundo seria um lugar melhor se dessem medalhas para grandes professores, em vez de darem apenas para os soldados que matam os inimigos nas guerras.
 
Herr Silverman faz com que Leonard escreva cartas para o seu futuro, pode ser alguma pessoa que ele sonha em ter ou encontrar como se aquela pessoa escrevesse uma carta para Leonard e então ele resolve usar essa tática para tentar ficar melhor e sentir que o futuro pode ser bom. Achei essa ideia muito legal e o livro tem alguns capítulos que são essas cartas. 



Página 102
Há muita coisa pelo que viver. Definitivamente há coisas boas no seu futuro, Leonard. Eu tenho certeza disso. Você não tem ideia de quantas pessoas interessantes vai encontrar quando terminar o ensino médio. Sua parceira, seu melhor amigo, a pessoa mais maravilhosa que você vai conhecer está sentada em alguma escola neste momento, esperando se formar e entrar em sua vida, talvez até mesmo sentindo as mesmas coisas que você, talvez até mesmo se perguntando sobre você, esperando até que você seja forte o bastante para chegar ao futuro, onde vocês se encontrarão.
 
 
O livro é muito emocionante e muitas pessoas disseram que o final foi aberto e eu comecei a ficar com medo do final do livro, mas graças a Deus não achei que ficou em aberto, a gente conheceu Leonard na mais profunda dor da existência, acho que todo mundo um dia pelo menos na vida em um momento de raiva desejou não estar mais nesse mundo, e por isso gostei muito do final e até me surpreendi.


Página 104
Nós damos uma encarada um no outro e eu penso que Herr Silverman é a única pessoa da minha vida que não me engana, e talvez seja a única da escola que realmente liga se vou sumir ou não.  

O livro como disse se tornou um dos meus preferidos, tanto que coloquei aqui quase todas as citações que marquei para literalmente te convencer a ler e embarcar nessa história super emocionante.



Página 105
- Por que você está sendo legal comigo? - pergunto.
- As pessoas deviam ser legais com você, Leonard. Você é um ser humano. Você deve esperar que as pessoas sejam legais. As pessoas em seu futuro, essas que estão escrevendo as cartas para você. elas serão legais. Imagine isso. e assim será. Escreva as cartas.  

 


Para quem nunca leu nada desse autor ele que escreveu "O Lado Bom da Vida" que inclusive até virou filme e ganhou premiações, gostaria muito que esse também virasse um filme, iria ajudar muitas pessoas.



Página 149
Essas pessoas que chamamos de mamãe e papai nos trazem para o mundo e, em seguida, não nos acompanham em nossas necessidades ou não nos dão qualquer resposta. No fim das contas, é cada um por si, e eu simplesmente não fui feito para levar esse tipo de vida.
Pensar em tudo isso me faz sentir muito deprimido, e eu estou tremendo agora.


Eu amei o livro e espero que se você leu venha aqui me contar o que achou, e para quem já leu também quero saber sua opinião.


Pagina 165
Eis a citação:
As pessoas pagam por aquilo que fazem, e ainda mais pelo que permitiram se tornar. E pagam por isso de uma maneira muito simples: com a vida que levam.Ele estava tentando fazer-nos pensar sobre como a vida é difícil e como as pessoas sofrem de diferentes maneiras, sem precisar que aumentemos o seu sofrimento para satisfazer a nossa sede de vingança, mas eu não creio que a citação se aplique ao mundo real, onde literatura, educação, filosofia e moralidade não existem, porque Asher e Linda e tantas outras pessoas culpáveis parecem estar se saindo excepcionalmente bem na vida, enquanto eu estou debaixo de uma ponte nojenta prestes a abrir um buraco no meu crânio.

Beijos 

Até mais!

Um comentário :

  1. Eu amo o Matthew. O lado bom da vida é meu livro preferido e estou com quase uma pop star na lista dos para ler.
    Mas sim, irei procurar esse livro. Perdi recentemente um amigo pelo suicídio, talvez me ajude a entender um pouco mais. Obrigada.

    ResponderExcluir